Bonsai Acer Kaede

Bonsai Ácer Kaedê em 22/02/2011

 

Compramos esse Acer da Jô Ribeiro, bonsaísta de Brasília no dia 12/01/2011. Segundo ela, o bonsai já estava com 09 anos.

Nome: Acer buergerianum (A. trifidium)
Estilo: Sekijoju  – Raiz sobre pedra

CUIDADOS COM O BONSAI ACER

Características: É uma caducifólia. Significa que perderá as folhas por um período. Também conhecido como Bordo, é uma arvore que cresce, naturalmente, na posição vertical e tolera bem a poda, o solo seco e a poluição do ar. Por estas razões, é utilizado em muitas cidades de todo o mundo como “árvore de rua”, e são as mesmas características que a tornam também excelente para bonsai. A Acer buergerianum formosanum  é uma subespécie atraente, que atinge menos altura, mas desenvolve uma folhagem densa. Uma variedade de cultivo invulgar para bonsai é a Acer buergerianum “Mino  Yatsubusa”, uma forma anã com folhas espessas e brilhantes que, no Outono, parecem envernizadas de escarlate e cor de laranja. O Acer ginnala, ou bordo, é uma alternativa para regiões frias, já que as raízes são mais resistentes aos danos provocados pelo frio intenso.

Localização:  No verão: no período mais quente do ano, manter em local parcialmente sombreado; proteja particularmente do sol da tarde. Mantenha as raízes frescas dando sombra ao vaso. No inverno: abrigue do vento e da chuva; o frio pode danificar as raízes devido ao elevado conteúdo de umidade.

Substrato: Utilize uma mistura de pedrisco de grão redondo, grosso, com matéria orgânica, na proporção 1:1. A mistura deve apresentar boa drenagem.

Transplante: Anualmente, no início da primavera, quando as gemas intumescem, mas antes destas rebentarem. Cortar todas as raízes jovens danificadas pelo frio; crescem rapidamente novas raízes.

Adubação: Uma vez por semana, durante o primeiro mês de aparecimento das folhas, com fertilizante de NPK equilibrado. Em seguida, de duas em duas semanas até meados do verão. No final do verão use um adubo com baixo teor de nitrogênio, para enrijecer os brotos novos.

Rega: Diariamente, durante todo o período de desenvolvimento. A terra deve ser mantida relativamente seca no inverno, para minimizar os danos nas raízes provocados pelo frio.

Podade brotos novos: ao longo do verão, conforme for sendo necessário, cortando até ter um ou dois pares de folhas;  de ramos: no outono ou no final do inverno; desfolha: numa árvore robusta e bem nutrida, também pode proceder-se ao corte das folhas em meados do verão.

Aramação: Em meados do verão, após a desfolha ou no final do inverno/início da primavera. Preste atenção porque os ramos e os brotos endurecidos são frágeis e quebram-se facilmente. Com o bordo tridente é sempre melhor modelar os galhos novos com arame, enquanto estes ainda estão verdes.

Estilos: Adapta-se bem a todos os estilos, menos ao de vassoura (Hokidachi), e a todos os tamanhos. A estrutura da raiz em forma de teia faz com que esta árvore seja, particularmente, indicada para o estilo raiz-sobre-pedra.

Propagação:  Por semente, em finais  do outono, protegendo-as do frio. Por estacas de brotos novos, no meio do verão; de finais de inverno até o início da primavera,  por estacas lenhosas (com grossura de um lápis, do cabo de uma vassoura ou mesmo de um punho) em areia fina resulta bem. Por mergulhia na primavera.

Pragas e enfermidades: ácaros,  cochonilhas e pulgões.

Fonte: Bonsai Sul 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*