Cuidados Femininos para Pedalar Longos Percursos

Quando comecei a pedalar, sentia muitas dores no bumbum e adjacências.  Ai, que sofrimento durante e depois do pedal! Ficava com dores vários dias.  Tive que tomar algumas providências:

Troca do selim: Os bancos originais das bikes são muito estreitos e duros. Coloquei um “sofá” de gel, o Selim Serfas DDLD-200 Feminino. Aí alguém disse: “Mas que banco enorme! Descaracterizou a bike!” Não me importei com a crítica, porque meu conforto é muito mais importante que a estética da bicicleta. Além disso, não achei que ficou feio, não. Na hora a gente estranha. Depois o banco novo se  incorpora à bike, passa a ser seu amigo e pronto! Já me senti melhor.

Algum tempo depois eu comecei a ter dores nas costas. Minha professora de pilates matou a charada e disse que devia ser posição errada na bicicleta. Reparando, vi que para aliviar dores no bumbum (novamente) eu estava me encolhendo toda na bike. Foi aí que percebi que o meu selim já estava muito gasto, rachando. Comecei a procurar um selim para substituir, vi várias opções e fiquei interessada no Selim Carbon Confort Ride Out. O único defeito dele é o preço, bem salgado para o meu bolso! Continuei a pesquisa, porque há selins confortáveis de excelente qualidade em várias marcas e de todos os preços. Então o Eduardo lembrou que eu devia pedir sugestão ao Marcelo Rocha, que fez o meu bike fit. Claro!!! 

 

 

Ele me aconselhou um que eu sequer pensei em olhar. É o Selim Specialized Ariel Comp 143mm. Deu super certo!

Usar bermuda especial para ciclismo: Comprei um modelo unissex da VO²Max. Ajudou bastante, mas eu me sentia mal com ela. Parecia que estava de fraldas e o pior, cheias! Fazer o quê? Era o que eu tinha. Então quando fui comprar minha nova bike, a Gerusa da JC Bikes me mostrou uma bermuda da Mynd que tem modelos femininos com o acolchoado especialmente desenhado para mulheres.

 

 

Experimentei e amei!!! Comprei e abandonei a minha VO²Max. O modelo da Mynd se acomoda perfeitamente ao meu corpo. Há também outras marcas começando a fabricar modelos femininos. Veja mais fotos das peças Mynd no Facebook.

Usar calcinha ou não: A Gerusa pedala muito. Eu comentei com ela que a costura da calcinha me machucava e ela disse que não se usa calcinha com a bermuda de ciclismo. Nunca tinha pensado nisso. Então resolvi tentar. A região da costura da calcinha agradeceu, mas apareceram assaduras e irritações na região urogenital. Consultei meu ginecologista. Ele me proibiu de pedalar sem calcinha e disse que há calcinhas de algodão sem costura e também modelos tipo boxer que eu devia experimentar.

 

 

O Dr. Evandro sempre recomenda o uso de calcinhas de algodão para longos períodos. O problema da calcinha de algodão é que ela não seca rápido. Quem não tiver problemas de alergia com tecidos sintéticos deve optar pela microfibra. Há algumas grifes de lingeries lançando produtos  confeccionados com a chamada supermicrofibra. Eles são mais finos do que a microfibra comum, proporcionam conforto térmico e facilitam a transpiração, porque absorvem e eliminam rapidamente este suor. Isso é ótimo, porque em viagens precisamos de calcinhas que sequem rápido para podermos lavá-las de um dia para o outro.

Uma coisa necessária, no meu caso, é trocar de calcinha no meio do percurso, especialmente se for um dia quente. Isso porque mesmo sendo de secagem rápida, o contato com umidade é extremamente desconfortável e pode causar assaduras, fungos, coceiras.

Estou fazendo uns testes com vários modelos sem costura, mas já constatei que eles já me deram um grande alívio. Quero conhecer as novas opções de calcinhas de fibras naturais de bambu que se parecem com a viscose, com o toque do algodão. Dizem que são muito confortáveis! Algumas marcas fazem nos tecidos um tratamento antibacteriano, que dura muitas lavagens. Enfim, cada mulher tem suas características pessoais. Há quem pedala sem calcinha e acha que é o ideal. No meu caso não funcionou. A gente tem que experimentar.

Uso de creme para assaduras: O Dr. Evandro também recomendou o uso de um creme para assaduras, chamado Bepantol que pode ser usado com várias finalidades além das que estão na bula (dizem que a tradicional pomada Hipoglós também é boa, mas nunca usei). É só passar em toda a região afetada e nas dobras onde a calcinha fica atritando antes de sair para pedalar (a calcinha atrita um pouco mesmo sem costura). Quando volto, passo o creme na região íntima, com assaduras ou não, pois ele tem na sua fórmula Dexpantenol que acelera a regeneração celular. Assim evita-se desconforto futuro. Se estiver com alguma irritação, logo passa o incômodo.

Que calcinha usar depois do pedal: Se possível, o ideal é não usar nenhuma. Durante as viagens, nos horários de descanso e, principalmente, ao dormir, deve-se ficar  sem calcinha que é para a pele respirar e se recuperar para o dia seguinte. Essa recomendação do meu médico serve não só para as viagens de bike, mas para o dia a dia. Depois de um dia inteiro abafando a região genital, é bom dormir sem calcinha e dar um tempo para a pele.

Com essas precauções eu nunca mais tive assaduras, irritações ou dores. No entanto, não estamos fazendo longos pedais porque ainda estou em fase de preparação para uma viagem de cicloturismo. Temos pedalado por 2 a 3 horas em cada dia.  Já fizemos 4 dias seguidos, sem problemas. Acredito que o hábito vai nos tornando mais resistentes também.

Depois que fizermos nossa primeira viagem, provavelmente em outubro deste ano,  poderei constatar se tudo vai continuar bem e compartilhar minha experiência.

23 comentários sobre “Cuidados Femininos para Pedalar Longos Percursos

  1. Grandes toques amiga! As colegas de pedal devem agradecer.
    Queria ter a sua disposição e tempo para aderir ao pedal ou à corrida. Parabéns pela ídéia saudável e pela disposição. bj
    * Parabéns pelo blog também, tá ótimo!

  2. Oi Erika, bacana seu post. Para o homem a recomendação é pedalar com bermuda de ciclista e sem cueca, mas a qualidade da bermuda também conta nessas horas. Como sou parceiro da Curtlo, só uso roupas deles e elas são bem melhores das outras marcas que estava acostumado a comprar. A dica é evitar economizar em itens que nos trarão conforto e procurar sempre produtos de qualidade. Minha próxima aquisição será um Brooks para cicloturismo, vou testar e postar no meu blog o resultado. Abs

    • Ei, André! Compramos os alforges da Curtlo pela indicação de qualidade. Mas não experimentei as roupas. Quero conhecê-las. Quanto ao selim Brooks, nunca tinha sequer ouvido falar. Como eu disse, sou iniciante no pedal. Ainda não troquei o meu de gel que está rachando. Gostei dele, mas só durou 2 anos. Pelos comentários que já pesquisei a respeito do Brooks, não tenho dúvida de que vou investir em um também! Estou acompanhando seu blog! Parabéns!
      Abraço!

  3. Preciso de ajuda… faço pedal noturno aqui onde moro, leva cerca de 2 a 2:30 horas cada pedal… meu problema não é na bunda e sim na frente me machuca muito, fica dolorida, já troquei de banco, eu uso bermuda masculina pois sou grande e não acho bermuda feminina do meu tamanho… o que faço?!?!

    • Roupas não ajustadas ao corpo podem causar esse tipo de problema. Você já tentou comprar pela Internet? Que marca você está usando? Escolha um bretele, que não fica escorregando e é muito mais confortável para longas distâncias. A Mynd (www.mynd.com.br) é excelente! Você entra em contato e vê se eles podem fazer um tamanho feminino especialmente pra você.
      Também pode comprar em sites internacionais. Mulheres americanas e européias são, em média, maiores que as brasileiras. Provavelmente você vai achar um tamanho feminino que lhe sirva. A Gore é fantástica! Eu já comprei um bretele (bibs) e duas calças capri Gore e adoro! Dizem que a Giordana também é muito boa. Veja o site http://www.competitivecyclist.com/womens-bike-shorts-bibs. Aproveitei quando amigos foram aos EUA e encomendei para entrega no hotel.
      Lembre-se de que é preciso gastar um pouco mais para ter uma roupa de qualidade que pode proporcionar o conforto necessário.
      No entanto, pode não ser um problema da roupa ou só da roupa. O banco errado ou desajustado pode trazer problemas de dores como as que você sente e também na coluna, no joelho, nos punhos… Note que o ajuste não é só de altura, mas também horizontal e de inclinação. Eu sugiro que você faça um Bike Fit. O profissional vai indicar um banco apropriado para você e ajustá-lo às suas características. O Bike Fit, na verdade, vai ajustar toda a bicicleta ao seu corpo.
      Espero ter ajudado. Dê notícias!
      Abraço,
      Erika

  4. Olá Erika, também sentia bastante desconforto no começo! Item fundamental é o selin, assim que troquei melhorou.
    Também me incomodo muito com as bermudas com enchimento, pois acho todas muito grandes e apertadas nas pernas, Ouvi dizer que tem uma calcinha , bem anatômica que vc pode usar com calças e bermudas. Vc conhece?
    Outra questão é a depilação. Vc prefere mais cavadinha para andar de bike ou a tradicional?

    • Oi! Não conheço essa calcinha. Vou procurar, parece interessante. Quanto à depilação não faz nenhum diferença para mim. Abraço! Erika

  5. Muito interessante a sua matéria. Voltei a pedalar e agora estou com mais frequência, normalmente costumo vestir um maiô, porque já me adaptei a ele, mas no último pedal me senti super desconfortável. Ainda não tentei pedalar sem calcinha, parece ser estranho, mas vou tentar. Acho que as calcinhas sem costura devem ajudar bastante. Muito boa sua matéria, vou começar a olhar outro selim tb. Abraços, Aline Oliveira.

    • Que bom que você retomou os pedais, Aline! O conforto é fundamental e cada um vai descobrindo a melhor forma de se sentir bem. Depois me conta o que deu resultado para você.
      Obrigada pelo comentário.
      Abraço,
      Erika

  6. Meninas, há certos males que não tem jeito. Para o ciclismo amador as dicas são válidas, porém todas que pedalam para o alto rendimento sofrem com os selins duros, pois têm que usar os mais leves e aerodinâmicos; os forros das bretelles/bermudas realmente são um problema já que os dirigentes de equipes normalmente mandam fazer com forro masculino, pois não compensa fazer poucos exemplares femininos. Assim ficamos com dores mesmo, deixamos os melhores forros para treinos mais longos porém é comum chegarmos de treinos e corridas com escoriações e assaduras. Optamos assim por passar pomadas e não usar calcinhas. Realmente a recomendação dos ginecologistas são estas apresentadas, porém as vezes não podemos segui-las. Um ginecologista meu com doutorado na França disse que é comum ciclistas profissionais desenvolverem calos genitais que se confundem com câncer de vulva; e nos homens a pressão na região do períneo pode levar a esterilidade e até perda da sensibilidade na região íntima. Aliás, essa perda de sensibilidade também pode acontecer com as mulheres, fato que já me acometeu na minha última participação do Campeonato Brasileiro de Ciclismo de Pista quando, após a prova de perseguição individual fiquei horas sem sentir nem mesmo a vontade de fazer xixi.
    Para quem não procura o rendimento pode usar e abusar das dicas do post, quem quiser se tornar ciclista não tem jeito, no pain no gain.

    • Nossa, Erica, eu não sabia que a coisa era tão séria. Como cicloturistas, não chegamos a sofrer tanto. Obrigada pelos esclarecimentos! Bons treinos! Abraço!

  7. Pedal longos percursos, faço uso de bermuda de Lycra, sempre tinha dificuldades na acomodação, experimentei calcinha sem costura tipo fio dental, tendo como estilista minha esposa

  8. Otimo artigo, Erika,

    Me ajudou com a tomada de decisão a respeito do selim. Andei pesquisando a fundo nesse tema, pois me incomodava muito com assaduras. Há algum tempo estão fabricando no brasil cremes antiatrito especial para esportistas, os chamados CHAMOIS. Após a troca do selim, melhorou muito mas em jornadas mais longas, ainda apareciam assaduras mesmo usando uma bermuda especial. Um amigo me indicou esse produto e gostaria de compartilhar com seus leitores: http://www.solifes.com/2016/03/21/endue-chamois/

    O nome é Endue Chamois, esse creme resolveu todos os meus problemas com assaduras, estou muito satisfeito que acredito que possa ajudar mais pessoas com essa dica!!!

    Abraçoss!

  9. Olá Érika, cheguei ao seu blog quando estava procurando bermuda para ciclismo. Vi o modelo da Mynd e achei lindo, porém pela fotografia me pareceu que é cintura bem baixa. Você que comprou uma pode me confirmar isso? Abraço, Tais.

    • Oi, Tais! A bermuda da Mynd não é muito baixa não. Pode comprar sem medo. Mas depois dela eu comprei um bretelle, também da Mynd e achei muito mais confortável que qualquer bermuda. Justamente ele não desce, não divide a cintura nem a barriga. Adoro! Comprei outros depois. É gosto. Se não conhece ainda, dá uma olhada. Experimente também.
      Abraço,
      Erika

  10. Boa noite Erika!
    Qual o Selim que Marcelo Rocha lhe recomendou? Estou com sérios problemas com meu Selim, e tenho medo de comprar selim caros e não gostar deles, já tenho bermudas com gel, não uso calcinha quando pedalo, tomo os devidos cuidados mas não está adiantando…

    • Oi, Milca! Tudo bem? Foi uma falha minha não ter colocado a especificação do banco. É o Selim Specialized Ariel Comp 143mm. Mas aparentemente ele saiu de linha.
      Penso que você deveria fazer o seu bike fit. Cada pessoa tem um perfil corporal e nada garante que o meu banco seria adequado para você. Além disso, outros detalhes que não identificamos podem estar te causando incômodo. Só num bom bike fit você vai ter a garantia de que tudo vai estar ajustado para que tenha conforto na sua bike.
      Abraço,
      Erika

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*