Roma – A cidade e a bicicleta

2013-08-27_12h19m46

Terceiro dia em Roma

Na estação do metrô, compramos o Roma Pass. É um cartão que dá direito a entrada em 3 atrações e desconto da quarta atração em diante, com a incrível vantagem de não ter que enfrentar fila. Além disso, dá passagens ilimitadas em transportes públicos.

Já usufruindo do nosso Roma Pass, pegamos o metrô na Piazza di Spagna para o bairro Pigneto, fora do centro, onde fica a BBike Tomorrow, loja de bicicletas.

2013-08-27_11h42m24

Descemos na estação Re di Roma, que era a mais “próxima” da loja, e seguimos a pé por 3,4 km. Se a gente tivesse seguido o Google Maps, como o Eduardo queria, teríamos andado somente 2km. Mas eu cismei de achar um ‘caminho “melhor”. Se foi melhor eu não sei… só sei que andamos (bem) mais. De qualquer forma, adorei o caminho!

2013-08-27_12h29m42

Foi muito bom caminhar por ruas mais vazias dos bairros residenciais que ficam longe das massas de turistas. As fontes de água fresca, comuns em Roma, também estavam espalhadas por lá. A nossa garrafa estava sempre abastecida, mas beber direto da fonte é uma delícia!

2013-08-27_11h39m46

Passamos por belos prédios antigos e casas, muitas com jardineiras floridas nas janelas.

2013-08-27_12h37m18

Ao chegar à loja, o Robert, com quem eu havia me comunicado por e-mail, recebeu-nos muito bem. Acertamos os detalhes da Brompton que eu encomendara e que chegaria em alguns dias.

Olhando a loucura do trânsito, confesso que fiquei meio temerosa de andar de bicicleta em Roma. Não havia muitas ciclovias nos lugares por onde passamos. Na verdade, eu sabia que elas existiam, mas não tinha visto nenhuma. Ainda assim resolvemos arriscar, conscientes de que deveríamos ter muito cuidado. Então alugamos duas bicicletas. A elétrica, com sistema de pedal assistido, ficou comigo, é claro!

2013-08-27_16h50m40

Pela primeira vez o Eduardo não teve que ficar me esperando… Eu gostei muito dessa história de pedal assistido. Então aconteceu que uma das vezes que eu cheguei primeiro ao topo de uma ladeira e fiquei esperando o Eduardo subir, ralando para me encontrar, morto e suado, comentando o calor, o cansaço, eu percebi que não estava sentindo nada!!!! Nem sombra de cansaço ou suor, até porque a gente já tinha pegado bastante chuva. Foi aí que me apaixonei pelo pedal assistido e pedi ao pessoal da BBike Tomorrow para instalar o Nano Eletric na minha Brompton.

Foi muito bom passear de bicicleta por Roma. Vimos muito mais coisas e conhecemos lugares incomuns para turistas. Eu gosto muito disso. Ver o comum é muito bom, claro! Mas conhecer o escondido, a vida da cidade como ela é, para mim é maravilhoso! E não tivemos nenhum problema no trânsito. Os motoristas foram cautelosos, aguardavam a gente passar ou estarmos seguros para nos ultrapassar, não tiravam finos, não buzinavam e não reclamavam.

Ainda fomos aos Jardins da Villa Borghese, o segundo maior parque de Roma.

2013-08-27_17h30m38 2013-08-27_17h25m04

É um grande jardim no estilo Inglês que fica na colina Pinciana. Amamos  passear por lá. É um lugar tranquilo, fresco, muito bonito. É lá que fica a famosa Galleria Borghese, um museu que abriga esculturas e pinturas de Gian Lorenzo Bernini, Caravaggio, Leonardo da Vinci, Raffaello, Rubens, Tiziano, etc. Um espetáculo!

2013-08-27_17h24m50

É preciso agendar o horário da visita por telefone. A Zaiga, do B&B, fez isso por nós. No entanto, chegando lá, é preciso enfrentar fila de qualquer maneira para pegar o ingresso; a fila do Roma Pass é a mesma de quem comprou o ingresso por outras fontes e o calor no subsolo onde ficam os guichês é insuportável!

2013-08-27_17h12m18

Chegamos então ao Pincio, com sua bela vista da cidade. Descemos para a Piazza del Popolo e seguimos por outras bandas, loucos por um gelato.

2013-08-27_17h39m54 2013-08-27_17h44m02

Depois pegamos a Via del Corso e fomos ao Monumento a Vítor Emanuel II da Itália, na Piazza Venezia. Incrível a beleza e a grandiosidade do monumento!

2013-08-27_19h55m122013-08-27_19h55m02

Já à noite, seguimos pedalando sem destino até chegar à Área Sacra Largo di Torre Argentina.

2013-08-27_20h34m36

A zona da Torre Argentina deveria ser demolida, em 1927, para reconstrução parcial de Roma. Durante os trabalhos foram encontradas as ruínas de quatro templos romanos que remontam ao século 4 e 3 aC., das Termas de Agrippa, e do Teatro de Pompeu. Então a área ficou preservada e foi chamada Área Sacra. Hoje é local onde mora uma infinidade de gatinhos.

2013-08-27_20h31m02

A noite estava muito agradável e aproveitamos para conversar um pouco e planejar a continuação do nosso passeio.

2013-08-27_20h38m52

Então de lá atravessamos a ponte Garibaldi e entramos no Trastevere, o bairro boêmio de Roma. Ruas repletas de gente, lojinhas, bares e restaurantes charmosos. Àquela hora estava quase impossível pedalar no meio de tanta gente.

2013-08-27_20h58m48

Nós havíamos planejado jantar no Marco G, super recomendado, o nº 93 de 6861 restaurantes em Roma, segundo a classificação do TripAdvisor. Só que as bicicletas precisavam ficar sob as nossas vistas e as mesas externas desse restaurante estavam lotadas. Então encontramos um lugarzinho na varanda do restaurante Ai Bozzi. Foi ótimo! A pizza deles estava fantástica!

Site da foto: www.triportreats.com

Depois do jantar, mais uma volta pelo Trastevere. A gente já estava capotando de sono, mas o pessoal lá (muita gente) parecia estar com energia para virar a noite. Os boêmios…

2013-08-27_22h36m48

Descemos para a margem do Tevere, onde havia muitas barracas de coisinhas e restaurantes. O Eduardo experimentou um chapéu novamente… Desistiu. Não me lembro o preço, mas era caro demais para um chapéu de palha tão pequeno. Estamos ficando mais racionais para gastar, pelo menos em alguns dias. Em outros dias a gente nem perguntaria o preço do chapéu; levaríamos e pronto. Mas com a cotação do euro a R$ 3,30…

Enfim, ali às margens do Tevere, finalmente encontramos uma ciclovia! Aparentemente, ela segue por toda a margem do rio. Decidimos voltar ao hotel por ela. Só que logo acabou a muvuca de barraquinhas e a ciclovia ficou completamente deserta e meio escura em alguns pontos.

2013-08-27_22h37m04

Meio ressabiados, seguimos em frente. Volta e meia cruzávamos com alguma alma. Lá pelas tantas, o Eduardo desviou de algo que eu pensei ser uma sacola plástica voando cheia de ar. Passei observando e lá na frente caiu a minha ficha e eu falei pra ele: “Amor, aquilo é um chapéu!” Ele logo mandou eu deixar o chapéu lá. Imagina se eu ia deixar o chapéu lá, sem nem dar uma olhadinha nele… Voltei e descobri que não era apenas um, mas dois chapéus de palha ainda com as etiquetas, do jeitinho que a gente queria comprar. Imagino que caíram das barraquinhas lá de cima, aquelas que vimos quando fomos ao Vaticano. Só que naquela hora não havia ninguém lá para reclamar a posse deles, então decidimos que eram nossos!

Quando a iluminação ficou fraca pra valer, subimos a escadaria para seguir pelo Lungotevere por cima. Passamos em frente ao Castelo Sant’Angelo, que iluminado estava ainda mais exuberante. Em seguinda, veio a Corte di Cassazione e eu, distraída admirando tudo, errei a subida de um meio-fio baixinho e despenquei no chão… O engraçado foi que eu nem senti o tombo. Foi muito natural, um tombo macio! ‘Talvez’ pela garrafa do ótimo vinho que havíamos tomado durante o jantar… No outro dia foi que dei conta do cotovelo  ralado. Nada demais. Eu e a bicicleta ficamos bem.

Liberdade é como saborear um passeio de bicicleta sem precisar apostar corrida com ninguém. Apenas pedalar. No nosso ritmo.

Ana Jácomo

 Veja mais fotos desse dia:

2 comentários sobre “Roma – A cidade e a bicicleta

  1. Olá, irei para Roma no final deste mês…gostaria de saber onde podemos estacionar as bikes para entrar em um museu por exemplo.

    Agradecerei muito sua resposta.

    • Oi, Camila! Estacionar as bikes é um problema em Roma. Não há lugar. No dia que pegamos as bikes, fomos visitar os Jardins da Villa Borghese e pretendíamos visitar a Galleria Borghese. Desistimos, porque não havia onde deixar as bicicletas. Então reprogramamos nossos passeios. Fizemos de bike toda a cidade apreciando o que era possível ao ar livre, parando para tomar um gelato, lanchar, almoçar ou jantar em lugares abertos (há muitos) onde podíamos ficar com as bikes ao lado. Foi fantástico!
      E para visitar os monumentos fechados, como Panteão, Coliseu, Foro Imperial, Galleria Borghese, Vaticano, etc, deixamos as bikes no hotel e fomos a pé ou de metrô.
      Uma alternativa é fazer tour de bike com guias que ficam cuidando das bicicletas enquanto as pessoas entram nos museus, mas nós preferimos ter a liberdade de ir e vir, escolher os roteiros, parar onde desse na cabeça, tendo as bikes a nossa disposição todos os dias. Houve dias que visitamos lugares fechados pela manhã ou a tarde e saímos de bike no horário contrário e à noite. Passear de bike por Roma à noite foi delicioso!
      Espero ter ajudado. Aproveitem bastante a viagem!!
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*